O DESESPERO

7

coluna-guerrinha

Anos 80, devendo uma vela para cada santo, assediado pelos cobradores, o Mozart ficou sem saA�da: saiu atrA?s dos compradores de cavalos.

Telefona daqui, conversa dali, encontrou uma alma disposta a desembolsar uma grana em troca do animal, que atA� entA?o era sempre muito falado, mas nunca conseguia chegar terceiro nas suas atuaA�A�es.

Feito o negA?cio, o TristA?o mudou de cocheira e comeA�ou a treinar.

Logo no primeiro dia de trabalho, meio da reta, galope curto, mudou o rumo: foi de encontro a cerca, derrubou o seu jA?quei, mas ninguA�m sofreu um arranhA?o.

Minutos depois, jA? no padoque, o treinador tratou de levA?-lo atA� o ServiA�o de VeterinA?ria, na tentativa de apurar o que havia acontecido.

Exame minucioso e nada foi diagnosticado.

Liberado para seguir noA�batente, o cavalo seguiu para o seu box.

InA�cio da tarde, o treinador foi verificar pensionista por pensionista e, quado chegou na residA?ncia do TristA?o notou que ele nA?o havia tocado na raA�A?o.

Mediu a febre, nA?o encontrou nada e quando passou a mA?o na cabeA�a do cavalo descobriu que o mesmo era cego.

Ligou imediatamente para o proprietA?rio e comunicou a ocorrA?ncia.

Em seguida, o novo dono pegou o telefone, ligou para o Mozart e tentou desfazer o negA?cio.

– Mozart, vocA? me vendeu um cavalo cego! Quero meu dinheiro de volta!

Tranquilo, com as contas em dia, dono de fino humor, o velho proprietA?rio do TristA?o nA?o perdeu a calma.

– O senhor comprou um cavalo para correr ou para ler o jornal?

Nunca mais o Mozart foi visto no hipA?dromo…

VEJA TAMBÉM

Share.
Share.

7 Comentários

Comentário

    • Valeu, Ernesto! Que bom que você está gostando, o Guerrinha com certeza é um grande colunista e conhece muito sobre o turfe 🙂 Um abraço e continue nos acompanhando por aqui!

      • Certa vez como observador de corridas de cavalos vi um cavalo chamado Bochino de 5 anos filho do gaúcho effervisin que bateu o record da distancia dos 1500 mts na sua segunda corrida e dai para frente só entrava descolocado e fora do placar acumulando últimos, 0 bicho passou na mão de treinadores famosos na época ( cinco ) que não descobriram o problema do cavalo. e eu o observando no padoque na ducha após seu ultimo lugar em um páreo observei o cavalo todo encolhido e retraído e notei que um dos sacos estava recolhido originando ao cavalo uma tremenda dor. Me dirigi ao proprietário e perguntei se ele me vendia o cavalo e ele confirmou que sim. Comprei e solicitei ao magnifico veterinário Taranto que retirasse o órgão do animal. Após um repouso de dois meses retornei a pista com o Bochino e ganhei 6 páreos no Hipódromo da Gavea e o Grande Premio do Jockey Club de Campos prá cima do favorito, Em resumo nem sempre o mundo é dos Experts e sim dos observadores. Carlo Bochino